A Escola de Verão é uma iniciativa conjunta do Okeanos – Instituto de Investigação em Ciências do Mar da Universidade dos Açores, do LSTS – Laboratório de Sistemas e Tecnologia Subaquática da FEUP, do MIT – Instituto de Tecnologia de Massachusetts e do Programa MIT Portugal (MPP), tendo como parceiros o AIR Center, o CoLab +ATLANTIC, a Fundação Gaspar Frutuoso e a Escola do Mar dos Açores (EMA). Este ano teve o apoio do Governo Regional dos Açores.

Durante as últimas duas semanas, vinte alunos de seis nacionalidades diferentes puderam partilhar conhecimentos não só na área de robótica marinha como também em ecologia marinha e oceanografia, mais especificamente em aplicações para observação oceânica, arqueologia e mapeamento de ecossistemas. O curso está organizado numa componente teórico-prática, o que permitiu aos alunos aplicar em contexto real tudo o que lhes foi transmitido. Os workshops apresentaram os fundamentos das ciências marinhas e o uso da robótica não só na pesquisa como na monitorização do oceano. As demonstrações e os trabalhos de campo serviram para mostrar a mais recente tecnologia no que toca a sistemas autónomos, sensores e operações remotas, tendo permitido aos alunos recolher dados como temperatura, salinidade e pressão. A proximidade com o mar permitiu aos alunos um contacto direto com os fenómenos oceanográficos dos Açores, facilitando-lhes as tarefas de análise e recolha de dados.

Gui Menezes, professor e diretor do Okeanos, afirma que “estamos no espaço ideal e temos excelentes condições não só para acolher este tipo de cursos como para receber pessoas de vários cantos do mundo para, no fundo, podermos avançar com o conhecimento, a ciência e a engenharia marinha”.

Douglas Hart, professor de engenharia mecânica do MIT e co-diretor do programa MIT Portugal, destaca ainda que “esta foi uma experiência fantástica, principalmente pelo facto de ver alunos de tantas nacionalidades e realidades diferentes trabalhar em conjunto para resolver um problema, foi verdadeiramente inspirador”.

Charline Troung, estudante do MIT, conta que “o melhor desta escola de verão foi o facto de estarmos tão próximos do nosso ambiente de trabalho, isso permitiu-nos criar uma conexão especial com o mar”, acrescentando ainda que “ver a forma apaixonada como pessoas de áreas tão diferentes trabalham em prol de um oceano melhor é fascinante”.

A edição deste ano teve lugar na ilha do Faial e contou com a presença de vários professores e profissionais de renome mundial dos EUA (MIT) e da Europa. Pondera-se a possibilidade de voltar a acolher esta Escola de Verão nas próximas edições.