O projeto SONDA, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia e desenvolvido pelo Instituto de Engenharia Mecânica (idMEC@Técnico), a Universidade do Minho e o Instituto de Investigação em Vulcanologia e Avaliação de Riscos (IVAR) da Universidade dos Açores, pretende contribuir para uma melhor monitorização atmosférica e oceânica, propondo o desenvolvimento de um sistema complementar aos meios de observação existentes. Para isso, está em desenvolvimento um sistema inovador que contará com sondas capazes de monitorizar continuamente parâmetros de interesse, desde a estratosfera até ao mar profundo, e um sistema de transporte baseado num balão de alta altitude.

Uma primeira fase do modelo projetado foi testada na recente erupção do vulcão Cumbre Vieja, em La Palma (Canárias), que proporcionou condições para um exigente ensaio a todo o sistema, não só por permitir testar todas as vertentes do projeto, mas também pelas condições adversas a que o sistema foi exposto. De facto, a erupção produziu cinzas e gases que se dispersaram desde o solo até níveis altos da atmosfera e emitiu lavas que chegaram ao mar, causando um impacto na zona costeira. Este cenário gerou condições ótimas para o teste dos protótipos de sondas ao nível do solo, a níveis altos da atmosfera, e em ambiente aquático, bem como a todo o sistema de comunicações com os vários componentes do dispositivo.

Para o efeito, durante a erupção realizaram-se duas missões, em outubro e em dezembro, em colaboração com investigadores do Instituto Volcanologico de Canarias (INVOLCAN), no decurso das quais foi montada uma rede de sondas em torno da região afetada, foram realizadas sondagens atmosféricas e instalaram-se boias com sensores aquáticos. Os sensores instalados em torno do vulcão monitorizaram, entre outros parâmetros, cinzas finas em suspensão, dióxido de carbono e dióxido de enxofre, um gás particularmente importante do ponto de vista do risco associado a uma erupção vulcânica. A disponibilização destes parâmetros em tempo real revelou-se útil para a gestão de crises vulcânicas.

As sondagens atmosféricas realizadas tiveram por objetivo caracterizar a carga de partículas e as concentrações de dióxido de enxofre ao longo de um perfil da atmosfera. Estas experiências permitiram detetar a pluma eruptiva e caraterizar o seu perfil vertical, com medidas in situ. A instalação das boias na costa da ilha, próximas da região dos deltas lávicos, pretendeu testar o desenho e configurações do dispositivo. Equipadas com diversos sensores, foi possível fixar o registo acústico da atividade nesta região.

Atendendo a estes resultados, os testes realizados durante a erupção do vulcão Cumbre Vieja constituem um sucesso que permitiu identificar correções a implementar e demonstrar a relevância do sistema em desenvolvimento.

Os trabalhos em La Palma resultaram de uma parceria entre os projetos SONDA e VOLRISCK MAC II e contaram com financiamento da Estrutura de Missão dos Açores para o Espaço e da Fundação para a Ciência e a Tecnologia.